O Monte Sinai na visão de um peregrino.

O Monte Sinai

Quando cristãos pensam no Monte Sinai (pelo menos a maioria..rs), é inevitável não voltar no tempo e imaginar acontecimentos bíblicos marcantes. Cenas do filme “Os Dez Mandamentos” de Cecil B. De Mille logo vem a minha mente, imaginar então visitar um local destes é algo indescritível. Sugiro que quem pretende viver esta experiência incrível a darem uma boa lida no livro do Êxodo para curtir a cada passo a atmosfera histórica que envolve o local.

Mas a verdade é que conquistar o topo do Sinai não é para qualquer um. Primeiro porque exige muito do físico do peregrino, segundo que, depois das aproximadamente 5 à 6,5h de subida íngreme, caso não exista um propósito real nesta subida, acaba não valendo à pena. Presenciei os dois casos, gente que adorou e quer voltar, e gente que detestou.

Clima e Paisagem

A paisagem é sem igual. A cadeia de montanhas do Monte Sinai proporciona uma experiência única de voltar no tempo do Êxodo e se imaginar ao pé do monte com os filhos de Israel e até mesmo subindo junto com Moisés. Um deserto não de areia como se imagina, mas de cascalho e pedras, que exige do peregrino calçados bem confortáveis.

Subida do Monte Sinai durante a noite

Subida do Monte Sinai durante a noite

O caminho pelas fendas da cadeia de montanhas do Monte Sinai, trazem ao peregrino a sensação de estar caminhando em “terra de ninguém”, principalmente para quem faz a subida a noite, à propósito, o sugerido é subir a noite quando a temperatura pode chegar à 5ºC, isso porque durante o dia pode passar de 41ºC.

Informações importantes

Camelo no Monte Sinai - U$20,00/pessoa!

Camelo no Monte Sinai – U$20,00/pessoa!

O Monte Sinai (também conhecido como Monte Horeb ou Jebel Musa, que significa “Monte de Moisés” em árabe) está situado no sul da península do Sinai, no Egito. Esta região é considerada sagrada por três religiões: cristianismo, judaísmo e islão.
É um pico de granito com uma altitude de 2285 metros onde, segundo a Bíblia e a tradição judaica, Moisés recebeu as Tábuas da Lei. Ao longo dos séculos foram sendo construídos sobre o monte e à sua volta vários locais de culto e acumulados tesouros da cultura religiosa.
No pico do monte encontra-se a pequena Capela da Santíssima Trindade, construída em 1934 sobre as ruínas de uma igreja do século XVI, onde se pensa que existiria a sarça ardente – no entanto, o Mosteiro de Santa Catarina, no sopé do monte, clama a mesma localização. Entre a base e o pico, existe uma escadaria escavada na rocha com cerca de 4000 degraus (leva 3 horas a subir), chamada “Sikket Saydna Musa”, que significa, em árabe, “O Caminho de Moisés”.
750 degraus abaixo do pico, existe uma plataforma onde Aarão e os 70 sábios esperaram, enquanto Moisés recebia as Tábuas da Lei (Êxodo 24:14) e uma caverna, chamada “Retiro de Elias”, onde se acredita que aquele profeta passou 40 dias e noites em comunhão com Deus. A noroeste deste ponto, encontra-se o monte Safsaafa, onde viveram eremitas bizantinos, como São Gregório e, logo abaixo deste pico, encontra-se a planície de ar-Raaha, onde os israelitas acamparam enquanto Moisés subia à montanha e onde, depois ergueu o primeiro tabernáculo.
Esta ligação do Monte Sinai com a Bíblia atraiu muitos peregrinos ao longo dos séculos e uma das mais famosas foi a Imperatriz Helena de Bizâncio, no século IV que fez ali construir uma igreja, a Capela da Sarça Ardente, no local onde ainda se encontra vivo um arbusto de Rubus sanctus, que os monges acreditam ser a sarça ardente original. Imediatamente se estabeleceu ali uma comunidade monástica e, para proteger a igreja e os monges dos ataques de beduínos, o imperador Justiniano I mandou construir uma muralha à volta da igreja, no ano 542 e os edifícios que são hoje o Mosteiro Ortodoxo de Santa Catarina.

Casa de pedra, moradia de beduínos no Sinai

Casa de pedra, moradia de beduínos no Sinai.

Agora vão algumas dicas:

  1. Prepare-se fisicamente para esta aventura, é sério, subir o Sinai requer muito esforço.
  2. Leve bastante água e/ou alguns dólares para comprar pelo caminho. Sim! Existem locais onde você poderá comprar água, e não só isso, mas chocolate, refrigerante, bolacha recheada, café, chá, enfim…coisas do gênero. A cada aprox. 1,5h você encontra uma casa de pedra (moradia de beduínos) como mostra a imagem acima, nela você encontra todos os ítens citados entre outros.
  3. Você pode optar por subir a pé ou de camelo. Na segunda opção você tem que pagar U$20,00 para subir de camelo, e fique tranquilo por que é seguro, eu mesmo preferi em minha última viagem optar pelo camelo e valeu à pena. Não há perigo do camelo escorregar e cair pelos barrancos do caminho, na verdade o que percebi é que é mais fácil o peregrino cair do que o camelo…rs, o bicho já está acostumado com o percurso.
  4. Não se separe do grupo, nunca. Apesar de não haverem relatos de sobre atitudes duvidosas por parte dos beduínos, não dê margem ao azar, por isso, procure ficar perto do grupo e estar sempre à vista de seu tour líder.
  5. No Monte Sinai tem banheiro, mas é bem precário para os padrões ocidentais, em outras palavras, o ideal é utilizá-lo só em último caso e para o “número 1”, se é que você me entende..rs.
  6. Leve roupa de frio. Para quem sobe a noite, sugiro um bom agasalho pois, como já falamos, o frio chega aos 5ºC .
  7. Leve uma mochila. Como você vai descer depois do amanhecer, a temperatura sobe muito rápido e por isso é bom ter uma mochila para guardar o agasalho e conter coisas indispensáveis como lanterna, garrafinhas d’água, protetor solar, uma bateria extra para a câmera digital e se necessário alguns medicamentos básicos.
[nggallery id=6]

Resumo da ópera:

Para vistar o Monte Sinai precisa-se de um propósito real, se for somente pelo turismo aconselho ficar curtindo o hotel.

Faltou comentar alguma coisa? Você possui alguma dúvida sobre este passeio? Comente….

Veja abaixo o vídeo de nossa mais recente visita ao Monte Sinai:

Deixe um Comentário